Poesia para alegrar o dia – 2

Imagem

 

Em troca de folhas velhas

A terra dá flores e pão

Dá tu em troca de ofensas

Bondade, amor e perdão

 

Semeia o amor sem veres

O terreno onde cair

Onde menos o esperes

Talvez o vejas florir

 

Quem sabe não há um tesouro

Sob a terra que pisamos?

Podem valer mais que nós

Aqueles que desprezamos

 

Importa saber falar

Mas também saber ouvir

Nada pode aproveitar

Quem não sabe discernir

 

Ouve bem o que te digo

Se não queres aborrecer:

Na vida do teu amigo

Não te vás intrometer

 

Quem aconselha aborrece,

Sempre no mundo se ouviu

Ninguém quer ou agradece

Conselho que não pediu

 

Dignidade não é ouro,

Nem é tampouco poder

Dignidade é um tesouro

Que o mais pobre pode ter

 

Não digas mal de ninguém

Ainda que tenhas razão:

Pois quem te ouvir logo tem

De ti má opinião

 

Mal por mal, antes ser escravo

Do coração e errar,

Que ser escravo da razão

E sem amor acertar

 

Ter saudade é ter presente

Um bem que nos pertenceu

E, embora de nós ausente,

De todo não se perdeu

 

Julgo que a alma será

Esta chama fugidia

Que, ao fitar outros olhos,

O nosso olhar irradia

 

O amor é como o sol,

Mesmo encoberto alumia

Nunca disse que te amava

E toda gente o sabia…

 

Traz a vida separados

Dois corações bem unidos,

E outros aborrecidos

De má vontade abraçados

 

Ninguém pode ser juiz

Nas contendas do amor:

O coração nunca diz

O que tem no interior

 

O amor e a doença

São conforme o temperamento:

No nome não há diferença,

É diferente o sofrimento

 

E hoje em trovas singelas

Minhas mágoas vou dizendo;

Menos sofrendo em dizê-las

Do que em silêncio ir sofrendo

 

Só o amor tem poder

De dois corações juntar

Contudo, sempre hão de ter

De um ao outro perdoar

 

Toda casa deve ser

Um santuário de amor:

Sagrada para quem lá vive,

Exemplo de quem lá for

 

Na escala dos amores,

Ao alto o amor de mãe

Se todos têm valor,

Valor como ele não tem

 

Faltava a Deus lá no céu

O doce nome de mãe

Para o ter, Jesus nasceu

Da Virgem pura em Belém

 

Se hoje tiveres motivo

Para rir e estar contente

Deixa passado e futuro,

Goza apenas o presente

 

Uma trova é pequenina

E encerra, quando sentida,

O pulsar do coração,

Toda a beleza da vida

 

Em quatro versos somente

Canta a alegria e a dor,

Cantando sentidamente

A saudade e o amor

 

Sei que os meus versos são velhos

De séculos – deixai-os ser

O sol é bem mais antigo

E não deixa de nascer…

 

Ana Rolão Preto M. Abano – CarumaLisboa, 1958

(Foto: Serra da Gardunha, Portugal – terra natal da autora)

Anúncios

Um comentário em “Poesia para alegrar o dia – 2

  1. Norma Cléa Pinheiro Viana disse:

    Uma poesia de grande sensibilidade e sabedoria… Aprecio a seleção feita, ao colocar esta poesia e os outros assuntos trazidos pelo autor deste blog.

Aprecie com moderação...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s