Rudolph Giuliani entrevistado na revista Veja

Na edição de 17 de junho de 2009, a revista Veja publicou uma ótima entrevista com o famoso ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani – o cara que conseguiu reduzir drasticamente a violência na cidade, no anos 1990 (seu governo ficou conhecido como o “tolerância zero”). A certa altura, o entrevistado diz o seguinte:

Sou conservador em questões econômicas, militares e políticas, mas penso de forma diferente em relação ao aborto, aos homossexuais e às questões imigratórias. As pessoas têm escolhas que podem divergir das suas – e é preciso respeitá-las. Não sou a favor do casamento gay, pois o casamento é uma instituição que pertence a homens e mulheres, mas defendo os direitos de casais do mesmo sexo que vivem juntos há muitos anos. Também apoio as mulheres que decidem não ter um filho. Sou contra fechar as fronteiras americanas, pois sou descendente de imigrantes…

Naquela mesma semana, enviei o seguinte e-mail à revista, e recebi confirmação do recebimento:

Em sua fantástica entrevista, o ex-prefeito de Nova York teria sido mais feliz se, ao invés de dizer: “Também apoio as mulheres que decidem não ter um filho. Sou contra fechar as fronteiras americanas, pois sou descendente de imigrantes (…)”, dissesse isto:
“Sou contra as mulheres que decidem não ter um filho, e pensam em abortá-lo. Elas deveriam levar a gestação até o fim, e então doar o bebê. Se sou contra fechar as fronteiras americanas, pois sou descendente de imigrantes, como posso ser favorável a fechar a fronteira da vida para novos seres humanos se, antes de qualquer coisa, sou um ser humano?”
 
Meu comentário não foi publicado. Mas espero que pelo menos tenha levado à reflexão o(s) jornalista(s) que o leram, quanto à desumanidade que é um aborto intencionalmente provocado.