História: uma palavra, vários sentidos

  1. História: se refere ao já acontecido. Tudo que existe ou já existiu tem ou teve uma história. Ex: “A moda e sua história”.
  2. História: se refere ao relato, ao ato de contar o que aconteceu. Ex: “Um livro de história”.
  3. História: se refere ao estudo do que passou, e das suas consequencias através dos tempos. Ex: “A História é uma ciência”.

Só existe história porque existe o TEMPO, que se estrutura como passado-presente-futuro. A eternidade não tem história.

O estudo da história é uma atividade sutil e complexa, que exige muita sensibilidade por parte do historiador. Todas as pesquisas precisam ter um ponto de partida bem estabelecido: “O que, exatamente, estou tentando descobrir/compreender?”. Ou seja, só é possível estudar o passado a partir do presente, e as perguntas que o historiador faz SEMPRE terão ligação com o seu tempo, o seu Zeitgeist, e a sua própria história pessoal.

Um dos erros que os historiadores podem cometer em seu trabalho é o anacronismo: entender e julgar (e descrever) uma sociedade, uma civilização, uma cultura do passado de acordo com os critérios, o conhecimento e a sensibilidade de sua própria época. Algo assim como assistirmos um filme sobre o antigo Egito e vermos um ator usando um relógio de pulso…

Outra discussão interessante é sobre o conceito de ‘fato histórico’: tudo e qualquer coisa que aconteceu no passado da humanidade tem o mesmo valor histórico? Como distinguir, entre tantos acontecimentos, aquilo que realmente importa? Isso vai depender das consequencias que um determinado acontecimento teve para a sociedade como um todo, ou pelo menos para uma parcela da comunidade.

Por exemplo: se alguém estivesse sentado embaixo de uma macieira e de repente caísse uma maçã em sua cabeça, isso seria um fato histórico? Dificilmente… Mas, e se esse alguém fosse um sujeito chamado Isaac Newton, e essa maçã o tivesse levado a formular a Lei da Gravitação Universal? Essa seria uma maçã… histórica! (Ok, essa historinha de Newton e da maçã é fantasiosa, mas pode ter algum fundo de verdade.)

Outro exemplo: uns dois mil anos atrás, nos tempos do Império Romano, milhares de pessoas eram condenadas a morrer crucificadas. Uma delas foi um homem judeu, conhecido como Jesus de Nazaré (morreu numa sexta-feira). Porém, segundo o relato de centenas de testemunhas, no terceiro dia após sua morte e sepultamento ele ressucitou, isto é, voltou a viver. E essa história se alastrou como fogo pelo mundo. Qual foi o resultado disso, do ponto de vista que estamos tratando? A História da humanidade acabou sendo dividida em Antes de Cristo e Depois de Cristo. Isso é que é FATO HISTÓRICO pra ninguém botar defeito…

Seja bem-vindo(a) a este blog!

Anúncios

9 comentários em “História: uma palavra, vários sentidos

  1. Rosemere Saito disse:

    Viu só, com um pouquinho de paciência, ele nasceu…rsrs….Parabéns e muito sucesso!!!!

  2. No texto o autor diz que a eternidade não tem história. Evidentemente, pois até agora ninguém voltou para contá-la…

  3. Conceição Castro disse:

    Ando muito impressionada em como a História do Brasil oficial, ou seja, aquela que aprendi na escola, tem enfoques e versões diferentes, hoje. Estudando com meu neto de 12 anos,vejo-o discorrer sobre a Revolta da Chibata, de que nunca ouvi falar na escola durante as décadas de 50 e 60 , além do que, lendo Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, assombro-me com as informações lógicas e bem embasadas que o autor dá sobre nossa História, e que desmentem muita coisa que eu imaginava verdadeira. Os “fatos históricos”,então,além de tudo, mudam de acordo com a época em que são pesquisados…pelo menos alguns!

  4. Fernando Conceição disse:

    Caros amigos,
    Ando pensando, e isso literalmente, o fato histórico foi sempre contado pelos vencedores. Hoje temos a chance e liberdade de recontar a história do mundo, e em especial de nosso país. O passado de nossa nação é como um grande tesouro; nele encontramos lições de como direcionar nossa ação como cidadãos, tanto para evitar o fato como para fazê-lo acontecer. Porém a história é contada cotidianamente pelos meios de comunicação. Grandes corporações da mídia contam os fatos a partir de sua ótica e interesses, novamente a história sendo escrita pelos vencedores.

    • É verdade, Fernando, para o bem e para o mal… Para o bem ou para o mal, porque nem sempre os vencedores são os maus, nem os perdedores, os bons, como certo maniqueísmo nos quer fazer crer, e nem sempre a “História Oficial” está completamente errada. A questão é bem complexa mesmo, por isso a História é tão fascinante! É um campo de estudos que se encontra literalmente na encruzilhada entre a Filosofia, a Literatura e as ciências sociais. Abraço!

  5. Barbara disse:

    Olá, Oswaldo! Que feliz, o teu blog! Faz a gente querer ler o próximo post! Parabéns! Merece indicação pra todas as cabeças pensantes conhecidas. Abraço!

Aprecie com moderação...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s